quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Mata-me de amor (Série Agridoce III)

Ilustração: Lesja Chernish
Atravessa teu amor em mim, maltrata-me! Puxa-me pelos cabelos e me pega pela cintura, de jeito. Castiga-me sem medo, sem dó, me dá um nó. Mata-me de amor até amanhecer e depois até anoitecer... E depois e depois e depois... Sufoca-me de paixão e me bate com mesma a frequência com a qual bate teu coração.

(Karla Thayse Mendes – 03/02/12)

3 comentários:

  1. karlinha me deu até calor ler esse seu texto
    ^^
    maravilhoso menina
    beijos mil ***

    ResponderExcluir
  2. Oii tem selinho pra vc lá no blog.
    Bjsssssssss

    ResponderExcluir
  3. Oi, Karla, bom dia!!
    Ei! Temos aqui uma paixão mais forte, mais sensual, mais voluptuosa! Que lindo poema disfarçado em prosa! Quando comecei a ler, vi passar um travesseiro voando, e escutei o som dos risos e dos sussurros... Quando terminei, percebi o quase silêncio de um momento a dois, quase silêncio profundamente comprometedor...
    Um beijo carinhoso
    Doces sonhos
    Leo

    ResponderExcluir

"Soltava sorrisos ao vento e ouvia: Uma hora eles voltam pra você." [Vanessa Leonardi]