segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Carta fora do envelope...

Um lugar sem graça, 30 de outubro de 2011

Eu não sei se esse vazio que eu sinto é a falta de ti ou do sentimento lindo que tu despertavas em mim. A verdade é que meu sorriso deixou de ser largo e minha poesia ficou triste desde a noite em que tu me abraçaste pela ultima vez. 
Acho que eu te amei desde o momento em que me tirastes pra dançar naquela noite. Amei-te do jeito que viestes a mim, meio sem jeito, de caderno na mão, camisa verde, calça jeans e com o sorriso mais lindo do mundo no rosto.  Não sei o que teu coração disse ao meu durante aquela dança, mas seja lá o que tenha sido, fez o meu bater mais forte e de um jeito mais bonito. 
Tu me deste vontade de passear por aí de mãos dadas, me deste uma vontade estranha de sorrir pelas ruas, vontade de escrever e de cantar, tu me deste vontade de amar. Sabes, eu nunca pensei que pudesse sentir por alguém algo tão especial como o que eu senti por ti, na verdade eu nem sabia que cabia tanto amor assim dentro de mim. E todo o amor que eu tinha eu te dei. Amei cada gesto teu, cada mania esquisita, cada segundo de sonho ao teu lado. Contigo todos os cenários eram perfeitos para uma história de amor: uma praia, um praça, um ônibus, um quartinho... 
Hoje, tanto tempo depois de ti em minha vida, vou bem, obrigada! Bem estática, bem saudosa e bem diferente de feliz. Minha felicidade ficou em um canto qualquer teu, ou no bolso daquela tua calça jeans ou dentro daquela mochila preta, não sei. 
Certa vez ouvi alguém falar que só esquecemos um grande amor com outro, talvez seja verdade. Alguém que me quer muito bem um dia desses me disse que eu devo abrir meu coração e me permitir conhecer alguém especial. Eu sei que devo... E até tenho tentado, juro que tenho! Mas nenhum deles tem aquela tua cicatriz na ponta do nariz, nenhum deles tem aquele abraço que guardava toda minha alegria dentro, nenhum deles se diverte fazendo cócegas em mim, nenhum me dá vontade de sair debaixo de chuva pra um encontro no banco da praça – diga-se de passagem, nossa praça.   
Só eu sei o quanto dói não te ter por perto, não ouvir tua voz todos os dias (e várias vezes ao dia), o quanto dói não te contar do meu primeiro dia no meu primeiro emprego, só eu sei o quanto dói precisar do teu abraço pra ser feliz. Mas entre todas as dores, o que mais dói é que no fundo eu tenho a certeza de que vai doer pra sempre tua falta em mim.

Só sei conjugar o verbo amar no tempo da tua pessoa. Te amei, amo e amarei enquanto eu viver. É só, Meu Bem.


REMETENTE: A menina dele
DESTINATÁRIO: O menino dela
ENDEREÇO DE ENTREGA: O coração dela, onde ele ainda faz morada.


(Karla Thayse Mendes - 30/10/11) 





"Eu só queria que você soubesse do muito amor e ternura 
que eu tinha - e tenho -  pra você. 
Acho que é bom a gente saber que existe desse jeito em alguém,
como você existe em mim."
 [Caio]

10 comentários:

  1. Que pétala linda, menina!
    Um texto cheio de sentimento e doçura!
    Parabéns!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Adorável seu texto,carregado na emoção e tenho pena desse moço que deixou escapar tão bela pétala do seu jardim!Ah de encontrar outro jardineiro que cuide,regue e adube!Beijos

    ResponderExcluir
  3. Só uma correção no erro de português, Há de encontrar outro jardineiro e não Ah de....!

    ResponderExcluir
  4. Ao que vai ficar com a gente é preciso que siga em paz. Vamos sempre amar por mais que não possa existir.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Karla, bom dia...
    Na confusão mental em que nosso presente às vezes nos envolve, juraríamos que a vida não consegue fazer sentido, por mais que tente, nas questões do coração. E entre as coisas que juraríamos não fazer sentido, a que mais juraríamos e a que menos faria é que nos seja dada a eternidade para viver em alguns poucos dias, momentos, minutos. Então, nós a vivemos dentro da normalidade da vida, esperando ficar com ela um pouco mais... E, quando elas se vão, fica um vazio imenso!
    Eu aprendi que ser tudo intenso ainda não é a solução – mas já é algum consolo. Aprendi que não se vive amor dentro da normalidade da vida – mas como se cada segundo fosse o último segundo. Aprendi que se escreve no caderno da pessoa, que se diz tudo que se tem a dizer, que se dança todas as danças da noite, até amanhecer, que se beija a cicatriz até quase gastá-la, que se caminha junto por toda a areia da terra, que se conta todas as estrelas do céu...
    E, se a surpresa da separação chegar, ainda assim nos consumirá muitas lágrimas, mas nosso coração nos dirá: “contudo, retiveste a eternidade num segundo – amaste num segundo que te foi concedido, por toda a eternidade!”
    Um beijo carinhoso
    Leo
    Eu amo este blog.

    ResponderExcluir
  6. Que coisa linda ^^
    sentimentos assim são p vida toda.
    beijos flor ***

    ResponderExcluir
  7. Lindo e sentimental. ME sentia assim até pouco tempo. Por necessidade maior de me ter de volta, com muita luta, encerrei esse ciclo, ainda que ele permaneça vivo dentro de mim.

    ResponderExcluir
  8. Na vida tudo renasce e se renova... até o amor!...


    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  9. Simplesmente lindo! Acho que amamos, mais de uma vez assim!

    ResponderExcluir

"Soltava sorrisos ao vento e ouvia: Uma hora eles voltam pra você." [Vanessa Leonardi]