segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Ela é quase Flor...

Ilustração: Anne Julie
Ela é quase flor...
O silêncio dela é tão alto que os passarinhos ouvem de longe
e vem pousar em seu ombro.
Seu brilho renova as tardes.
Guarda num velho baú seus instrumentos de trabalho:
1 abridor de amanhecer,
1 encolhedor de rios,
1 esticador de horizontes.
Ela desregula a natureza:
Seu olho aumenta o poente,
borboletas dançam nos seus cabelos,
estrelas fazem música no seu sorriso.
Ela desenha o cheiro das árvores.
No chão de sua voz há uma primavera.
Seu destino é um poente de andorinhas.
Um fim de mar colore seus horizontes.
Ela não abre o esplendor da manhã com faca,
ajeita as nuvens nos olhos.
O dia se apropria da luz que irradia dela.
Ela não grita suas qualidades,
exála-as levemente, como a flor.
Pode alguém enriquecer a natureza com a sua simplicidade?
Ela pode.

( Inspirada nos versos de Manuel de Barros - Livro das ignorãnças -
Karla Thayse Mendes- 22/08/06)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Soltava sorrisos ao vento e ouvia: Uma hora eles voltam pra você." [Vanessa Leonardi]